Minha entrevista para a Folha de São Paulo sobre o feminismo e o Antifeminismo

Vejam logo abaixo como ficou a entrevista que eu dei para o jornal Folha de São Paulo, mas que elas não quiseram publicar:

Qual sua idade e profissão?
Resposta: Tenho 34 anos, sou formado em Direito e trabalho como Técnico Administrativo em uma Universidade Publica. Portanto, sou funcionário publico.

Quando e como surgiu a ideia do site Feminismo Diabólico? Você mantém o site sozinho ou tem alguma ajuda?
Resposta: Em 2013 eu comecei a fazer uma especialização em Gestão de Politicas Publicas em Gênero e Raça pela UFMS (Universidade Federal do Mato Grosso do Sul), porque era um curso gratuito e não por me interessar por esse tema. Mas durante o curso, as professoras queriam que nós elogiássemos a Marcha das Vadias e eu respondi que eu achava que a Marcha das Vadias era um erro, porque elas violavam as leis, já que é proibido para as pessoas andarem sem roupa na rua. Após eu dizer isso, eu me tornei o inimigo número um das professoras e tutoras da Pós, que começaram a praticar bulling e ameaças contra a minha pessoa, dizendo que iriam fazer falsas acusações contra mim para a policia se eu não saísse do curso. Então, eu fiquei com medo delas, porque eu percebi que elas eram verdadeiras MAFIOSAS sem escrúpulos e eu pedi para sair da Pós. Durante alguns dias eu até pensei em fazer uma denúncia no Ministério Publico porque elas me discriminaram lá, elas praticaram bulling contra mim e elas eram de uma Universidade Publica: da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul. Mas então eu pensei que isso era justamente o que elas queriam: elas queriam mesmo que eu processasse elas para elas se fazerem de vitimas e de oprimidas pelo Patriarcado. Se eu tomasse alguma providência legal contra aquelas feministas preconceituosas, elas iriam se fazer de vitimar perante a opinião publica, então, eu pensei bem e tive uma idéia: se eu destruísse a ideologia delas: o feminismo, isso seria um castigo muito maior do que qualquer processo que eu fizesse. Então eu tracei uma estratégia para destruir o feminismo, que consistia em criar e divulgar uma Antítese contra o feminismo, pois eu percebi que a melhor forma de combater o feminismo seria criando uma Antítese que contrariasse os dogmas feministas. Para isso, eu segui as idéias do filósofo alemão Hegel, que criou a dialética da Tese X a Antítese. Dessa forma, a Tese que eu queria derrubar era o feminismo e, para isso, eu precisava criar uma Antítese contra ela: o meu Antifeminismo. Da luta entre essas duas ideologias opostas entre si, surgiria uma nova SÍNTESE. E é o que eu acredito que está acontecendo agora. Depois disso eu escrevi os livros e fiz os sites para criticar o feminismo, para que essas injustiças e perseguições que as feministas promovem não ocorram mais.
Sobre os sites, eu mantenho todos os meus sites sozinhos. Não tenho colaboração de ninguém e nem parceria de divulgação com nenhum outro site ou fórum. Quando eu publico textos que não são minha criação, mas que eu achei em algum site da internet, eu sempre coloco o link e indico a fonte aonde eu peguei o material.

Você faz parte de algum grupo anti feminista? Qual? Em quantos vocês são?
Resposta: Eu não faço parte de nenhum grupo antifeminista e nem Masculinista. Não participo de nenhum fórum masculinista. Eu até tentei participar em 2013, mas, como eu defendo as travestis no meu site, eu fui expulso dos fóruns deles e cortaram as associações dos sites deles com os meus sites. Eu recebo atualizações de algumas páginas antifeministas do facebook; mas eu não consigo postar nada nelas, porque em geral eu fui expulso de todas as páginas antifeministas, em virtude de eu defender os gays e as travestis tanto quanto eu defendo os direitos dos homens e meninos nos meus sites.
Não sei exatamente quantos antifeministas existem no Brasil, mas eu sei que nós somos muito poucos. Não dá nem para comparar com o colosso que é o feminismo. As feministas tem ONGs, tem associações, coletivos, livros publicados, milhões de sites na internet, apoio governamental. Não existe nenhuma associação Antifeminista ou Masculinista no Brasil. Não existe nenhum livro Masculinista impresso e publicado no Brasil. Os sites antifeministas são muito poucos e recebem muito poucas visitas. Na verdade, nós masculinistas parecemos mosquitinhos picando um elefante feminista. As feministas reclamam do mosquito, fazem escândalo, sopram as trombetas; mas nós Masculinistas somos tão pouco numerosos e insignificantes que, se as feministas não nos xingassem numa base semanal, ninguém saberia que nós existimos. Eu mesmo nem sabia que existia essa palavra: “Masculinismo”. Eu só fui descobrir essa palavra depois que o meu primeiro livro criticando o feminismo estava publicado. E eu só descobri essa palavra porque eu estava vendo um site feminista e a feminista estava descendo o porrete nos coitados dos Masculinistas.
Talvez, se existirem uns mil Masculinistas e Antifeministas no Brasil, seja muito. É provável que o número não chegue nem a mil no Brasil inteiro. Isso por si só já é prova o bastante da paranoia das feministas, que criticam os masculinistas. Nós somos tão pequenos e insignificantes que querer combater os Masculinistas como as feministas fazem é como usar uma bazuca para matar um mosquitinho. Você consegue matar o mosquitinho; mas é um desperdício usar uma bazuca para destruir um mosquito. E, no entanto, é isso que as feministas sempre estão a fazer contra nós, já que o maior temor das feministas é que haja alguma contestação aos dogmas infalíveis do feminismo.
Eu vejo os Masculinistas e os Antifeministas como SMURFS. Em todo episódio o Garga Mel tenta destruir os SMURFS, exatamente como as feministas fazem conosco, embora nós sejamos pacíficos, como os SMURFS. Os Masculinistas e os Antifeministas são pequenininhos e inofensivos como os SMURFS. Você já viu como os SMURFS são criaturinhas adoráveis? Nós masculinistas somos assim, nós somos como os SMURFS. Mas sempre tem uma Feminista GARGA MEL que quer nos destruir e nos odeia só porque nós somos o que somos.

O que é o feminismo para você?
Para mim, o feminismo é um movimento que teve sua utilidade, que já foi bom e útil no passado, pois a situação da mulher não podia mesmo continuar da forma como era antigamente. Em geral, eu acho que o feminismo foi bom por ter dado os direitos às mulheres de usarem medicamentos contraceptivos e de trabalharem fora, de participarem da vida politica e da sociedade. No entanto, eu acho que já chegou o momento do feminismo acabar, porque a igualdade das mulheres com os homens já foi alcançada e, se o feminismo continuar existindo, nós vamos criar uma situação de supremacia feminina na sociedade, aonde as mulheres terão privilégios e direitos enquanto que os homens e as crianças só terão deveres e obrigações. O feminismo foi bom, útil e necessário, até um passado recente, e agradecemos o feminismo por ter melhorado a condição das mulheres. Mas nós acreditamos que já chegou o momento do feminismo pendurar as chuteiras. Já chegou a hora das feministas perceberem que já chegaram no topo do Everest e que não há mais nada a conquistar, sem retirar direitos e recursos fundamentais dos homens e das crianças. Quer dizer, quando a gente vê as feministas fazerem Marcha das Vadias, Putinhas aborteiras, Pagu Funk vou cortar a sua pica, eu acho que isso são indícios de que já chegou o momento do feminismo acabar. E é uma pena que o feminismo vai acabar sem honra e sem dignidade, justamente porque as feministas não querem largar o osso. Nós teremos que acabar com o feminismo do jeito mais doloroso possível: mostrando a psicopatia e a degeneração do movimento. Se as próprias feministas entendessem isso e compreendessem que já chegou o momento delas acabarem com o feminismo, elas mesmas poderiam comandar a demolição do feminismo e, com isso, manteriam a dignidade de suas líderes e honrariam a sua memória. Mas, as feministas não querem perder o PODER que o feminismo dá a elas e então, nós teremos que enfatizar toda a psicopatia e todas as contradições do feminismo na sua mais pura fealdade. É como o Pelé, que largou o futebol no auge do sucesso e hoje ele é lembrado com honra e carinho. As feministas deveriam ter feito isso, elas deveriam ter acabado com o feminismo, enquanto elas estavam no auge, porque assim, ficaria na lembrança apenas as glórias e as honras do feminismo e das feministas. Mas, como as feministas não querem largar o osso, nós vamos nos lembrar do feminismo como o movimento das Marchas das Vadias, das Putinhas aborteiras, da Xereca Satanik, do Pagu Funk, vou cortar a sua pica. As feministas acham que eu odeio o feminismo; mas eu não odeio nem o feminismo. Na verdade eu até admirava o feminismo e eu acho que durante um certo tempo ele foi útil e necessário. Mas hoje em dia, transformando as mulheres em Vadias, com as Marchas das Vadias ou em Putinhas aborteiras e fazendo Xerecas Sataniks, sinceramente, eu não vejo mais como eu possa ver o feminismo de um modo positivo.

O que é ser anti ou contra feminista?
Resposta: Para mim, feminista é quem defende o feminismo. Antifeminista é quem ENTENDE o feminismo. Porque as feministas não entendem o que o feminismo é hoje em dia: um movimento de ódio e supremacista contra homens e meninos.
Ao criar a minha ideologia Antifeminista eu me baseei no filósofo alemão Hegel, que criou a idéia da luta entre duas idéias opostas: a Tese X a Antítese. Essa é a base da dialética, que mais tarde Karl Marx adotou para criar o comunismo. Portanto, quando nós quisermos derrubar alguma Tese, nós devemos elaborar uma Antítese contra ela, um exato oposto à Tese e foi isso que Karl Marx fez ao criar o comunismo. O comunismo é a perfeita Antítese à civilização ocidental. O ocidente é Cristão, então, o comunismo deveria ser ATEU. O ocidente é capitalista, então, o comunismo deveria ser COLETIVISTA. E assim por diante. O comunismo nada mais é do que a perfeita Antítese à Tese ocidental. Da luta de duas idéias opostas surgirá sempre e inevitavelmente uma nova SÍNTESE. E é exatamente isso que eu quis fazer ao criar o meu Antifeminismo: eu pretendi criar uma perfeita Antítese contra a Tese que eu queria derrubar: o Feminismo. Da luta dessas duas idéias opostas surgirá inevitavelmente uma nova Síntese e esse é o meu objetivo principal.
Mas veja bem que eu não sou comunista e nem Marxista. Eu me considero um inimigo do comunismo. Só que eu reconheço as virtudes e qualidades dos meus inimigos. E o comunismo de Marx teve a virtude de ser a mais perfeita Antítese a assombrar o ocidente. E essa Antítese nos assombra até hoje, mesmo muitos anos depois da morte de Karl Marx. Então, eu quis fazer algo como Marx fez: eu quis criar uma ideologia para combater o feminismo, que assombrasse o feminismo mesmo depois da minha morte. Eu queria criar uma perfeita Antítese contra o feminismo e essa Antítese eu chamei de Antifeminismo: www.antifeminismo.com.br

Que figuras públicas você enxerga como feministas e quais entendem como contra feministas? Por que?
Resposta: Eu prefiro não citar nomes de mulheres feministas, porque eu já fiz isso no passado e elas quiseram me causar problemas por causa disso. Mas em geral, eu percebo que as feministas tem uma visão distorcida da nossa realidade atual. Algumas delas mentem; mas a maioria realmente acredita nos mitos do Patriarcado e do machismo opressor das mulheres. Não sei bem por que as feministas não entendem a realidade, mas me parece que a maioria das lideres feministas se baseia em livros feministas das décadas de 60 e 70, de uma época que era outra e elas acham que aquela realidade descrita por aquelas feministas, é a realidade atual, quando nós sabemos perfeitamente que isso não é assim mais.
Sobre pessoas que eu entendo como sendo Anti-feministas, eu acredito que uma das maiores é a canadense Karen Straughan, que é uma mulher bi-ssexual muito inteligente e que é totalmente contra o feminismo. No Brasil tem outra mulher antifeminista muito inteligente também, que é a Ana Caroline Campagnolo, que faz excelentes vídeos de refutação contra o feminismo. Sobre homens antifeministas, eu cito Warren Farrel e David Benatar e, no Brasil, o Aldir Gracindo do A Voice for Men do Brasil. Mas muito embora as feministas me rotulem como “Masculinista” ou Mascus (um termo pejorativo que elas inventaram), eu não me considero um Masculinista; eu me considero um Antifeminista, porque tudo o que eu quero é que o movimento feminista acabe. Eu não quero criar um feminismo para homens, ou um masculinismo, porque senão, os mesmos vícios atuais do feminismo, iriam voltar a acontecer no futuro, com o masculinismo. Bom, pelo menos essa foi a minha idéia inicial, mas eu estou sentindo que é muito difícil combater o feminismo e talvez a difusão de uma ideologia contrária ao feminismo, seja necessária. Uma ideologia como o Masculinismo. Mas eu acho importante nós termos um prazo de validade e uma cláusula condicional para extinguir o masculinismo no futuro. Tão logo o feminismo seja derrotado, eu acredito que o Masculinismo também deve ser extinto, para que não ocorra o que está acontecendo hoje, com as feministas buscando uma supremacia sobre os homens na sociedade.
Mas eu gostaria de ressaltar que no Brasil existe um pseudo-movimento que se intitula de “Movimento da Real” e que as feministas chamam esses “guerreiros da Real” de Masculinistas ou mascus; mas na verdade, eles não são Masculinistas e nem Antifeministas. Eles não chegam nem ser um movimento. Eu só quero ressaltar que eu não tenho ligação nenhuma com esse Movimento da Real e que tanto as feministas quanto esses “Guerreiros da Real” vivem me criticando.
O Movimento da Real são alguns homens muito jovens, que sofreram alguma desilusão amorosa e eles viram que as mulheres dizem uma coisa e fazem outra e eles buscam algum conhecimento que os proteja desse comportamento histriônico da mulher moderna. Mas eles não combatem o feminismo, eles tentam ser mais um grupo de auto-ajuda dos homens. Esses caras da Real me detestam porque eu sempre estou elogiando as travestis no meu site e eles consideram isso inaceitável. Eu realmente não os culpo por pensarem assim, porque eles são muito jovens e imaturos e todos nós devemos nos lembrar da nossa adolescência, que nunca é um período fácil, ainda mais numa sociedade tão feminista como a nossa. Portanto, eu não tenho ligação nenhuma com esses Guerreiros da Real e nem nunca tive ligação alguma com eles. Discordo integralmente das idéias, métodos e soluções que eles propõem, embora eu me solidarize com o sofrimento que eles sentem e sei que é uma dor real a deles e, portanto, nós devemos respeitá-los.
Eu não me identifico com os Guerreiros da Real, talvez, pelo fato de que eu me tornei antifeminista não por causa de uma desilusão amorosa que alguma mulher tenha me feito; mas sim, porque feministas militantes me expulsaram injustamente de uma especialização que eu estava fazendo em Gênero e Raça. Então, talvez por causa disso, eu sempre tive uma clareza absoluta que a minha luta é contra o FEMINISMO e nunca contra as mulheres. Foi o movimento feminista militante que comprou briga comigo e não alguma mulher em particular. Portanto, eu combato e critico ideologias e não pessoas.

Você é contra ou a favor da descriminalização do aborto? Por que?
Resposta: Sou totalmente contra a descriminalização do aborto. Porque eu acredito que toda sociedade deve ter limites invioláveis que não pode ultrapassar jamais e um desses limites são as crianças. Nós nunca devemos fazer mal algum para as crianças, porque criança é sagrada e indefesa e uma sociedade que não protege nem as crianças é uma sociedade doente que mereceria desaparecer da face da Terra.
Do ponto de vista dos direitos e dos interesses dos homens, o aborto nos seria útil, porque se o aborto fosse legalizado, a indústria da pensão alimentícia que muitas mulheres usam para extorquir muitos homens, iria ruir. Portanto, do ponto de vista dos homens e do Masculinismo, o aborto iria nos beneficiar, porque se o aborto fosse legalizado, o golpe da pensão alimentícia que muitas mulheres dão nos homens, iria acabar. Mas, mesmo assim, nós somos contra o aborto, porque nós entendemos que o aborto é um crime, um assassinato contra uma criança inocente e indefesa. Então veja bem que eu sou contra o aborto apenas por razões MORAIS e ÉTICAS, porque do ponto de vista econômico, para os homens, seria útil que o aborto fosse legalizado, pois com o aborto, muitos homens poderiam se libertar da sobrecarga das pensões alimentícias que pagam para ex-esposas. Mas eu conheço como o feminismo age e eu sei que o aborto é apenas a ponta do Iceberg. Se o aborto for legalizado hoje, amanhã as feministas estarão pedindo para legalizar o infanticídio (matar a criança DEPOIS que ela nasceu) e pedirão para legalizar a eutanásia de crianças, como já ocorre na Bélgica, aonde crianças de 5 anos de idade já podem pedir eutanásia. Portanto, a criminalização do aborto é justa e necessária. Além do mais, as taxas de natalidade das mulheres está muito baixa: já é menor do que 1,8 filhos por mulher, quando o mínimo necessário para repor a população é 2,1 filhos por mulher. E, se o aborto for legalizado, esse problema só iria se agravar. Portanto, a solução para o problema das mães que tem filhos indesejáveis não é o aborto. Aliás, não é nem natural que uma mulher não deseje ter filhos. É justo e natural que as mulheres queiram ter filhos e, se elas não estão querendo ter filhos é sinal de que há algo de muito errado acontecendo. Por isso, eu sou a favor que se façam politicas publicas para apoiarem mulheres em situação vulnerável que tenham filhos. Inclusive, eu defendo a idéia de se ampliar o valor do bolsa família para o equivalente a 5 gramas de ouro por cada filho que as mulheres tiverem, até o limite de 5 filhos. Cada grama de ouro está no valor de cerca de cem reais aproximadamente, então 5 gramas de ouro equivaleriam a 500 reais. Portanto, por essa minha nova bolsa família, cada mulher poderia receber até 25 gramas de ouro por mês, se ela tiver 5 filhos, o que daria cerca de R$ 2500,00 (dois mil e quinhentos reais) em valores atualizados. E, como eu fixo o valor em ouro, isso vai preservar o poder de compra do beneficio, mesmo diante da inflação da moeda.
Mas nos casos em que a legislação brasileira já permite o aborto, como no caso de estupro, ou de risco de vida para a mãe, então, nesses casos, eu sou a favor do aborto. Ou seja, eu sou a favor de se manter a lei brasileira do jeito que está, sem alterações nessa área, porque eu já acho que a nossa lei sobre aborto já é justa e razoável o suficiente.

Qual sua posição frente a violência doméstica contra a mulher?
Resposta: A violência doméstica contra a mulher é um crime e é uma covardia e deve ser punida com todos os rigores da lei. Eu não sou contra as mulheres, eu sou contra o feminismo. As reinvindicações das mulheres que forem justas, legitimas e razoáveis, eu as apoio integralmente. E eu sou totalmente favorável às leis e medidas que visem inibir e impedir que a violência contra as mulheres ocorra. No entanto, as feministas estão usando esse argumento da violência contra a mulher, para estender esse conceito e alargá-lo de forma indevida, incluindo a violência psicológica contra a mulher, que seria qualquer tipo de ofensa ou palavrão que fosse dito contra alguma mulher. Nesse caso, eu sou contra esse entendimento, porque eu acredito que nós já temos leis suficientes que punem a calúnia, a injuria e a difamação. O conceito de violência psicológica contra a mulher é muito subjetivo e pode ser muito mal interpretado e, se ele for adotado, ele pode ameaçar outros direitos fundamentais dos cidadãos, como a liberdade de consciência e de crença e a liberdade de manifestação do pensamento. Portanto, eu sou 100% a favor das leis que punem com rigor a violência FÍSICA contra as mulheres; mas agora, no que se refere á violência psicológica e emocional, eu sou a favor que se faça um amplo debate entre a população para que se esclareça completamente o que seria essa violência psicológica, pois, caso tal conceito seja aprovado em uma lei, isso poderia ser usado como pretexto para inibir a liberdade expressão e de opinião, inclusive de humoristas e jornalistas, que ficariam impedidos de criticar qualquer mulher, sob o pretexto de que isso seria uma “violência psicológica” contra as mulheres. Já imaginaram uma lei dessas num país com uma mulher PRESIDENTA corrupta?

Você diz em seu email que tudo o que quer é que a relação entre homens e mulheres melhore. O que há de ruim nela hoje? Já foi melhor um dia? Como ela pode melhorar?
Resposta: Eu acredito que a relação entre homens e mulheres está se deteriorando cada vez mais e a maior prova disso são as cada vez maiores taxas de divórcio. O feminismo botou na cabeça das mulheres que todo sofrimento é ruim e que se as mulheres estão sofrendo, a culpa é do marido delas ou dos homens ou do machismo. E as mulheres acreditaram nessa idéia. Contudo, o sofrimento faz parte da vida humana. Todos os seres humanos experimentam o sofrimento em algum grau em suas vidas. Nem todo o sofrimento das mulheres é causado pelo marido delas ou pelos homens ou pelo machismo. Mas as feministas botam a culpa de tudo nos homens e as mulheres acreditam nisso e, por isso, as mulheres sempre estão a pedir divórcios e as famílias sempre estão cada vez mais sendo destruídas.
O feminismo faz as mulheres verem os homens como um INIMIGO a ser derrotado e estimula que as mulheres tenham o espirito de COMPETIÇÃO contra os homens. No entanto, muito melhor do que a COMPETIÇÃO, seria a COOPERAÇÃO. O homem e a mulher foram feitos para COOPERAR um com o outro e não para COMPETIR um contra o outro. O AMOR é o sentimento que promove isso, mas as feministas combatem o amor e promovem nas mulheres o ÓDIO e o MEDO contra os homens. O ódio e o medo afastam e repelem, subtraem, dividem. O amor reúne, une, soma e multiplica a força e as coisas boas. O feminismo gerou também emoções negativas nos homens contra as mulheres. Alguns homens se tornaram misóginos. Outros, simplesmente tem MEDO das mulheres, como eu. Mas o fato é que o ódio e o medo afastam e repelem. As feministas querem que os homens sintam COMPAIXÃO das mulheres; mas os homens hoje em dia só sentem MEDO das mulheres. Essa é a verdadeira razão do aumento do homossexualismo. O homem gay é um homem que DESISTIU das mulheres e viu que era mais vantajoso se relacionar com outro homem, do que com uma mulher. E os gays estão certos nisso. A cada dia que passa é muito melhor ser gay do que ser hetero. Apesar disso, as feministas não se culpam pelo aumento do homossexualismo e, pelo contrário, elas até incentivam e apoiam os gays. Mas elas fazem isso não porque elas realmente se preocupam com os gays, porque as feministas são egoístas e só se preocupam com elas mesmas. O apoio abjeto e rastejante que as feministas sempre brindam os gays e o movimento gay é originado das táticas desonestas de BAJULAÇÃO que as feministas usam para manipular os gays a favor delas. As feministas tratam mal os homens heteros, xingam, enfiam santas na vagina, quebram os símbolos religiosos e xingam os homens heteros de todos os palavrões possível. E elas fazem isso justamente porque esses homens são heteros e, portanto, no fundo, gostam das mulheres. Mas com os gays e com as travestis isso é diferente. As feministas bajulam e tratam bem os gays e as travestis justamente porque os gays não precisam das mulheres e, se as mulheres forem grosseiras com os gays, os gays respondem na mesma medida. Então tudo não passa de uma falsidade e de um jogo de interesses, e muitos gays e muitas travestis caem no conto do vigário feminista das bajulações que elas fazem com os gays, porque em geral, o homossexual sofre muito e está ansiando por aprovação social e reconhecimento e eles pegam as bajulações ridículas das feministas e as tomam como elogios e se tornam os cachorrinhos das feministas. Não existe homem que as feministas mais manipulem e usem como os gays e as travestis. Mas no fundo, toda feminista odeia os gays e as travestis e elas tem até medo dos gays, porque no fundo, elas sabem que se todos os homens virarem gays e travestis o poder das feministas na sociedade desmoronará mais rápido do que um castelo de cartas.
Portanto, para a relação entre homens e mulheres melhorar, é preciso que o feminismo ACABE e que as feministas parem de gerar medo nos homens e nas mulheres. Porque o ódio e o medo afastam e repelem. E é isso que as feministas querem. Hoje em dia ninguém mais acredita em amor, a não ser algumas poucas travestis. Se você for falar com alguma mulher e perguntar sobre o amor, ela vai rir da sua cara. Para a mulher moderna o amor não existe, só existe o ódio, o medo e a manipulação. No máximo, as mulheres querem despertar COMPAIXÃO por elas, mostrando um olho roxo ou se fazendo de vitimas, mesmo quando elas não são vitimas. E tudo isso é causado pelo feminismo. O feminismo faz a mesma coisa que o nazismo fazia: Os nazistas tinham um inimigo e ensinavam a odiar o inimigo, assim como as feministas fazem hoje. A humanidade se uniu e todos concordaram que o nazismo era uma ideologia maléfica que precisava ser varrida da face da Terra. O feminismo também é maléfico e destruidor, como o nazismo e já chegou a hora de fazermos com o feminismo, o que fizemos com o nazismo e com o comunismo.
Obrigada mais uma vez e um abraço,
P.S: Eu peço a você que cite os meus sites: www.feminismodiabolico.com e www.antifeminismo.com.br

www.feminismodiabolico.com.br

Anúncios